Rapper indígena usa a música para reivindicar demarcaçõe

INSPIRAÇÃO

Rapper indígena usa a música para reivindicar demarcações de terras

Date 1 de novembro de 2017

Algumas inspirações surgem de onde menos imaginamos. Na abertura da Copa do Mundo, no Brasil, em 2014, um adolescente indígena chamou atenção na cerimônia, depois de quebrar o protocolo de sua participação e erguer um cartaz vermelho e preto escrito “Demarcação Já”.

Recomendamos para você: Faixa de areia preta em praia da Islândia intriga turistas

O que parecia apenas um protesto comum, era, na verdade, o início de uma era. A do rap indígena. E o jovem em questão era Werá Jeguaka Mirim, que tem feitos letras tocantes em defesa dos direitos das terras para os índios.

Em uma entrevista dada à Thomson Reuters Foundation, o jovem ativista, de 16 anos, contou que depois desse episódio da Copa do Mundo foi um divisor de águas para ele. Foi depois desse evento que ele começou a ver que a luta indígena e demarcação de terras é muito importante.

Werá já tinha como hábito escrever algumas poesias e contos indígenas, mas depois de sua participação na cerimônia da Copa ele começou a escrever letras e produzir algumas músicas. O processo começou seis meses depois da abertura do mundial de futebol. Dali por diante, ele se rebatizou como Kunumi MC e se tornou o primeiro MC indígena solo do Brasil.

De acordo com ele, as canções estão ajudando não só ele, mas outras pessoas a se conscientizarem em relação à demarcação de terras.

E o assunto precisa mesmo de mais gente falando sobre e defendendo. Afinal de contas, a demarcação de terras para os cerca de 900 mil índios ainda é um assunto bastante polêmico.

Além do rapper, outras lideranças indígenas têm medo de que algumas manobras políticas no Congresso acabam minando as reivindicações dos índios. Entre as bancadas do Congresso que os índios mais temem, está a bancada ruralista, que têm deputados bastante poderosos e com interesses contrários aos dos índios.

Ao todo, existem mais de 30 propostas que podem acabar com os direitos indígenas. Ou seja, quanto mais conscientização melhor.

Veja uma das músicas de Kunumi MC.

Veja também: Estes são os motivos dos apelidos destas 7 cidades espalhadas pelo mundo