3 tipos de comportamentos dos pais a serem evitados

NOTÍCIAS

3 tipos de comportamentos dos pais a serem evitados

Date February 1, 2018 22:44

Criar os filhos não é uma tarefa fácil. As crianças são diferentes, cada uma tem o seu jeitinho particular. Assim como os filhos, os pais também receberam uma criação diferente e o conflito pode já iniciar desse ponto. No entanto, é importante sempre ter em mente que criar filhos não é uma brincadeira e todas as atitudes têm resultados, é crucial que os pais se unam para deixar de lado comportamentos ruins na frente das crianças.

De acordo com o livro ¨Inteligência emocional e a arte de educar nossos filhos¨, existem certas posturas que os pais não deveriam manter ao educar os seus filhos. O livro também menciona os resultados desses comportamentos específicos nas crianças caso essas posturas não forem evitadas. Não sejam esses 3 tipos de pais:

1. Os pais que não querem aceitar as emoções dos filhos, principalmente as negativas

Esse tipo de pai não sabe lidar com as emoções de crianças. Infelizmente, eles acabam pensando que as demonstrações das emoções negativas indicam que algo está errado com a criação da criança. Pior, eles ainda levam para o lado pessoal e se sentem constrangidos, assustados e aborrecidos. Eles querem que essas emoções negativas sumam o mais rápido possível, deixando a criança mais confusa ainda em relação às suas emoções. Consequentemente, ela pode acabar pensando que seus sentimentos são inadequados.

2. Os pais que desaprovam tudo feito pelos filhos

Eles são negativos demais e consideram a tristeza um sentimento desnecessário. Eles dão muita importância para a obediência da criança à autoridade com o foco principal para o comportamento.

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: 5 coisas que os pais precisam saber para proteger crianças e adolescentes na internet

3. Pais muito liberais e infantis

Esses pais não fazem questão de impor os limites e podem ser chamados de permissivos. O lado bom é que eles aceitam as expressões de emoção por parte da criança. Porém, eles não a orientam em relação ao sentimento que elas podem estar vivenciando. As futuras consequências são a dificuldade de se relacionar com outras crianças, dificuldade de concentração e dificuldade em controlar as suas emoções.

O ideal é ajudar os filhos a entender, trabalhar e lidar com as emoções e, desta maneira, fazer uma aproximação entre pai e filho. Só uma atitude dessa pode ser chamada educativa. Os pais educadores passam um bom tempo com a criança triste, irritada ou assustada e são sensíveis ao estado emocional dela. No entanto, eles não devem ser confundidos com aqueles pais bonzinhos demais, pois eles também sabem impor os limites e ensinam as demonstrações de emoção aceitáveis. Eles vão até além e ensinam as crianças a resolver os próprios problemas. Dessa forma, ela aprenderá a confiar em seus sentimentos, ter a autoestima elevada e saber resolver os seus problemas.

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: Algumas situações que as pessoas acham que os filhos estão sendo malcriados, mas tratam-se apenas de outra fase de desenvolvimento específica


O material deste artigo é destinado apenas a fins informativos e não substitui o conselho de um especialista devidamente habilitado.