Como ler corretamente a embalagem dos alimentos

Notícias

Muitas pessoas entram nos supermercados e fazem as compras automaticamente. Os hábitos de consumo geralmente são definidos pelas preferências por marcas. No entanto, para outras pessoas, o que vale na hora de fazer as escolhas são os preços somente.

Mas a diversidade de alimentos nas prateleiras é muito grande e são tantas marcas, que saber interpretar os rótulos dos alimentos corretamente faz muita diferença! Certa informação na rotulagem é obrigatória por lei e não deve ser à toa, não é verdade?

A proteção ao consumidor existe, falta só o próprio consumidor se interessar por ela. O nome do produto, a lista de ingredientes, a validade e o lote de produção são as coisas básicas. Veja em seguida os detalhes que devem ser vistos na embalagem de qualquer mercadoria:

1. O nome do produto

O nome do produto não é logomarca! Ele é muito importante, pois revela a natureza real do produto e precisa estar no canto esquerdo inferior da parte da frente da embalagem. Raramente as pessoas prestam atenção nele e acabam levando um creme vegetal, pensando que é a margarina.

Obviamente, são coisas diferentes. Ler o canto da embalagem é essencial se não quiser levar para casa o que nem sequer precisa. Os produtos alimentícios variam, mas todos eles devem ser regulamentados por uma lei. Certas normas definem as denominações de venda, levando em consideração as características sensoriais inclusive. O sabor, os ingredientes, o percentual de gordura, proteína e açúcares devem ser mencionados sem falta. 

2. Lista de ingredientes

A lista de ingredientes precisa incluir todas as substâncias usadas na fabricação, sem nenhuma exceção. Uma omissão ou acréscimo nos rótulos podem ser considerados como fraude. A lista deve começar com o ingrediente que está na maior quantidade na receita e terminar com o menor. Ou seja, tudo deve estar descrito em ordem decrescente.

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: 5 coisas invisíveis que fazem com que as pessoas gastem mais dinheiro sem mesmo perceber

3. Prazo de validade

É interessante, mas a data de fabricação não é obrigatória. Já a validade deve estar bem legível. Sempre procure pelas expressões: ¨consumir antes de…¨, ¨válido até…¨, ou ¨vence…¨, etc.

4. Lote rastreável

Essa informação guarda o histórico todo do produto:  o local, a hora e a forma que ele foi elaborado, os ingredientes utilizados na sua receita, os detalhes sobre a distribuição do mesmo. Se algum desvio no padrão de qualidade do produto ocorrer, só assim será possível investigar em que etapa da produção o problema aconteceu. O SAC (serviço de atendimento ao consumidor) também pode ser acionado.

Boas compras com muita atenção!

Fonte: Viva Bem

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: 5 truques que os supermercados fazem e não querem que as pessoas saibam


O material deste artigo é destinado apenas a fins informativos e não substitui o conselho de um especialista devidamente habilitado.

Recomendamos