Apraxia de fala: déficit de desenvolvimento motor que pode

FAMÍLIA & CRIANÇAS

Apraxia de fala: déficit de desenvolvimento motor que pode impedir a promoção da fala

Date November 1, 2017 15:15

A comunicação entre pais e filhos começa muito cedo. Por meio do choro, grunhidos ou sorrisos os bebês se comunicam desde o momento que nascem.

Quando a criança atinge por volta de um ano, começa a ensaiar as primeiras palavras e, de repente, para a emoção de toda família, sai um “mamá” ou um “papá”

Vitalinka / Depositphotos.com

A fala vai se desenvolvendo e geralmente é perto dos dois anos quando os pequenos já podem formar pequenas frases.

Veja também: 3 sinais de déficit de atenção que atrapalham a vida das crianças

Mas não se assuste se seu filho demorar um pouco mais. Cada indivíduo tem seu próprio desenvolvimento e variações sempre ocorrem. É comum algumas crianças desenvolverem mais a fala depois de começarem a frequentar a pré escola, por exemplo.

kazanovskyiphoto.gmail.com / Depositphotos.com

No entanto, é preciso ficar de olho. Se os marcos do desenvolvimento da fala não surgirem com o passar do tempo, isso pode ser o sinal de que alguma coisa pode estar errada.

Os motivos podem ser muitos e entre eles estão a dificuldade de audição ou carência de estímulos mais adequados - crianças que passam muito tempo com aparelhos eletrônicos, por exemplo, podem não estar recebendo o incentivo necessário.

A falta de desenvolvimento da fala também pode estar ligada a limitações cognitivas, autismo ou a um transtorno no desenvolvimento da linguagem, conhecido por distúrbio específico de linguagem (DEL).

Existe ainda uma outra causa que é quando a criança sente uma dificuldade de coordenar os movimentos para a produção de sons, e quando essa dificuldade é muito grande, pode-se estar diante de um quadro conhecido como apraxia de fala.

Trata-se de um distúrbio neurológico motor que atinge a produção de sons, e segundo a Associação Americana de Fonoaudiologia (ASHA) é resultado de uma falta de capacidade para planejar e programar os movimentos articulatórios necessários para o desenvolvimento da fala.

Ainda não se sabe os motivos, mas regiões do cérebro podem não enviar os comandos para os músculos responsáveis por emitir sons, como a mandíbula e lábios. A deficiência pode estar ligada a outros quadros como o autismo ou síndrome de Down, por exemplo.

Os graus de severidade também podem variar e vão desde casos leves, que têm plena recuperação,aos mais severos, quando as dificuldades podem persistir até a fase adulta.

photographee.eu / Depositphotos.com

O diagnóstico precoce, o apoio da família e da escola, além de um tratamento direcionado e bem planejado são essenciais para enfrentar a situação, por isso o melhor caminho é sempre fazer o acompanhamento do desenvolvimento das crianças com um pediatra de confiança ou, quando necessário, algum especialista da fala.

Recomendamos para você: O dilema das crianças pequenas: creche, escolinha ou babá?


O propósito deste artigo é meramente informativo. Não há intenção de oferecer recomendações médicas. Fabiosa não é responsável por possíveis consequências de qualquer tratamento, procedimento, exercício, alteração alimentar, ação ou uso de medicamentos resultantes da leitura e das instruções contidas neste post. Antes de começar qualquer tratamento, consulte um médico. As informações acima não substituem um diagnóstico a ser realizado por uma equipe de profissionais preparados.