Perigo com asas? Saiba quais doenças os pombos podem transmitir e os riscos que elas trazem

Os pombos são aves presentes em todos os grandes centros urbanos do mundo. Eles já foram usados como mensageiros no passado e também são um símbolo conhecido da paz. Mas os pombos também carregam grandes riscos para a saúde humana. Em alguns casos, esses animais são considerados uma praga.

Uma das doenças mais comuns e perigosas que podem ser transmitidas pelos pombos é a Criptococose. Essa doença é contraída por humanos ao inalar os esporos de um fungo que se instala nas fezes secas dos pombos. Os pombos não são os únicos transmissores da doença, mas como a maioria dos casos registrados é de transmissão pelas fezes deles, a doença recebeu o nome popular de Doença do Pombo.

Sintomas

Os sintomas mais comuns nos casos de Doença do Pombo são: tosse com sangramento na mucosa, febre alta e persistente, náuseas, dores de cabeça, sensibilidade à luz e fraqueza. Alguns sintomas diferentes também podem aparecer dependendo da área do cérebro que for afetada: falta de consciência, cegueira e até mesmo surdez e convulsões.

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: Por que você nunca viu um filhote de pombo?

Cuidados

A doença deve ser identificada e tratada corretamente o mais rápido possível. A taxa de mortalidade da doença pode chegar a 70%.

Outras Doenças

A Criptococose não é a única doença causada por essas aves. A Histoplasmose também é transmitida pelas fezes do pombo e causa micoses profundas no corpo de quem for afetado. A Salmonelose é uma doença causada pela ingestão de alimentos contendo a bactéria Salmonella que também está presente nas fezes dos pombos.

No mundo todo existe a discussão de como fazer o controle adequado dessas aves, pois essa é única forma de impedir que as pessoas contraiam suas doenças.

Só não se esqueça de manter o ambiente próximo sempre limpo e nunca maltrate os animais.

Fonte: Dicas Online

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: O câncer não impediu essa mulher de conquistar seu maior sonho


Este artigo é meramente informativo. Não se automedique e, em todos os casos, consulte um profissional de saúde certificado antes de usar qualquer informação apresentada nesta publicação. O conselho editorial não garante nenhum resultado e não assume qualquer responsabilidade por danos que possam resultar da utilização das informações constantes no artigo.

Recomendamos